Boa noite,

Quem já se deu conta de que muitas vezes projeta emoções na alimentação? E que isso o pode levar a momentos de alimentação compulsiva e inconsciente?

A alimentação é muito mais do que aliviar a sensação de fome. Muito mais do que aliviar a sensação de tristeza ou dor. Antes de mais, serve para nutrir o nosso organismo. O seu objetivo principal é dar ao nosso corpo aquilo que ele necessita. Leia bem, aquilo que ele necessita! Não aquilo que ele pede, porque muitas vezes achamos que o nosso organismo pede coisas e que por isso lhe devemos fazer a vontade, e nem sempre é assim!

“Estou mesmo a precisar de um doce!” – Quantas vezes já pensou isto? E será que precisava mesmo? Acha mesmo que as suas células estão a pedir açúcar para funcionar? Ou será que é o seu cérebro a pedir consolos emocionais?

É importante saber controlar a busca de compensação emocional na alimentação. É preciso encontrar mecanismos que nos façam saber gerir a nossa inteligência emocional de forma a não a projetar nos alimentos e para isso temos de ter consciência, muita consciência, no ato da alimentação.

1- Comer lentamente – O primeiro, e talvez o mais importante hábito a ser modificado é a velocidade com que se alimenta. Leve tempo para se alimentar, saboreie a comida com calma. Desta forma, dará tempo suficiente ao seu cérebro para reconhecer que já está cheio e que não necessita de mais comida.

2- Aprenda a reconhecer quando está realmente com fome – Muitas vezes olhar para um bolo no café achamos que de repente ficamos com fome. Será que ficamos? Aprenda a entender quando está de facto com fome. Lembre-se que é importante alimentar-se mesmo antes de “estar a morrer de fome”, por isso oiça o seu corpo e responda às suas reais necessidades que lhe serão alertadas de formas individuais. Aprenda a reconhecer os seus sinais pessoais de fome.

3- Desenvolva ambientes saudáveis de refeição – Quem já almoçou com uma mão no volante e a outra dividida entre as mudanças e uma sandes? Muitas vezes o stress do dia-a-dia leva-nos a não termos tempo para nos sentarmos e apreciarmos o tempo da refeição. Tente sempre criar um ambiente saudável para a sua refeição. Mesmo nos pequenos lanches, faça uma pausa e aprecie os seus snaks em tempo e locais de qualidade. Lembre-se que tirar tempo para se alimentar e para levar a sua saúde a sério não é tempo perdido. Procure um local agradável para se alimentar.

4- Não vá às compras com fome – Este é daqueles conselhos úteis e essenciais para quem quer começar a ter hábitos de uma alimentação mais consciente. Ir às compras com fome leva-nos a gastar mais dinheiro e a comprar produtos desnecessários, muitas vezes pouco saudáveis.

5- Pense naquilo que está a comer – Considere de onde vem cada alimento que está a consumir. Pense bem em todo o seu percurso até chegar ao seu prato. Desta forma, poderá concentrar-se mais naquilo que está a comer e irá valorizar de maneira os alimentos que tem no prato.

6- Concentre-se na sua refeição – Saboreie cada garfada. Aprecie o cheiro, as cores, o sabor, a textura dos alimentos. Concentre-se e deixe-se abstrair por aquilo que o rodeia por uns momentos. Antes de começar, respire fundo e comece a sua refeição calmamente e sem distrações que o podem levar a comer exageradamente por não estra focado neste momento, em que está a dar ao seu corpo o que ele realmente necessita. Aprecie esse momento.

7- Defina horários de refeições – Para não usar a desculpa do tempo, defina horários para as suas refeições. Horários que sejam possíveis de ser cumpridos e que lhe deem pelo menos 20 minutos para a sua refeição.

Comer é algo natural, saudável e pode dar muito prazer. Coma com intenção de cuidar de si e com a atenção necessária para apreciar os alimentos e os efeitos que estes terão no seu corpo. Desta forma, comendo mais conscientemente, irá fazer uma melhor digestão, irá contribuir para uma melhor absorção de nutrientes e pode ainda ajudar a acalmar a compulsão alimentar e a busca de compensação emocional na comida.

Mindful eating

Deixe um comentário