Boa noite!

Como já tenho vindo a dizer, estou a realizar o meu estágio à Ordem dos Nutricionistas em Moçambique desde Setembro de 2016 com a ONGD HELPO.

Durante os primeiros três meses (Setembro, Outubro e Novembro) vivi na cidade de Nampula, onde estive a implementar o projeto Histórias da Alimentação. Este tinha como objetivo promover boas práticas de saúde alimentar e nutricional, através de instrumentos de aprendizagem e de comunicação, de forma a mudar e melhorar comportamentos em crianças da terceira, quarta e sexta classe. Através de uma história infantil adaptada e de atividades artísticas em torno da mesma, tentei transmitir conhecimentos básicos que podem vir a fazer toda a diferença nestas crianças. Para quem tiver curiosidade, clique para ver o vídeo elaborado com uma das turmas.

No final de Novembro vim para a Ilha de Moçambique, onde estou a começar a desenvolver o Programa de Aconselhamento Nutricional Materno Infantil (PANMI), um programa da Helpo , que já se tem vindo a desenvolver com imenso sucesso em São Tomé e Príncipe (vídeo do PANMI em S.Tomé). Aqui, na Ilha, trabalho nas cinco Unidades Sanitárias (US) do distrito, onde participo nas Consultas da Criança Sadia (consultas de rotina mensais para crianças até os cinco anos de idade), dou formações aos técnicos de saúde das US e faço sessões com os cuidadores de crianças até aos cinco anos de idade a frequentarem as US.

Mas porquê estes projetos? Porquê Moçambique?

A alimentação é uma necessidade básica de todos os seres vivos. Para além de ser uma necessidade, deveria ser também um direito que faria justiça à dignidade humana de cada um. Infelizmente, apesar de ser um direito, nem todos têm acesso a uma alimentação que permite atingir um estado de nutrição adequado.

Apesar da fome, a nível global, estar a diminuir, dados da FAO indicam que cerca de 795 milhões de pessoas no mundo ainda se encontram em estado de Desnutrição. Em Moçambique, a desnutrição crónica (baixa estatura para a idade), é responsável por um terço das mortes de crianças menores de cinco anos de idade. Para além deste efeito na taxa de mortalidade infantil, a malnutrição durante a infância pode causar também danos no desenvolvimento da criança, entrando assim no ciclo vicioso da desnutrição:

ciclo-da-desnutricao

Adaptado de UNICEF 

Por isto, a HELPO está a implementar estes dois projetos em Nampula, a província de Moçambique com maior prevalência de desnutrição crónica, em que mais de metade das crianças menores de cinco anos têm um atraso no crescimento (Inquérito Demográfico e Sanitário, INE, Moçambique, 2011) . A diversidade da dieta nesta região é muito pobre: o consumo de alimentos ricos em micronutrientes (legumes e frutas) e o consumos de alimentos de origem animal é bastante baixo. Neste medida, a transmissão de conhecimento às crianças em idade escolar, aos cuidadores de menores de cinco anos e aos técnicos de saúde das Unidades Sanitárias é um passo para o desenvolvimento e para a luta contra estes valores.

Causas como as da HELPO devem ser apoiadas por todos nós, por isso convido-vos a espreitarem o site e a informarem-se em que medidas podem apoiar estes e todos os projetos que a HELPO desenvolve.

Deixe um comentário